JAIC 2004, Volume 43, Number 3, Article 3 (pp. 237 to 254)
JAIC online
Journal of the American Institute for Conservation
JAIC 2004, Volume 43, Number 3, Article 3 (pp. 237 to 254)

AMERICAN IMPRESSIONISM, MATTENESS, AND VARNISHING

LANCE MAYER, & GAY MYERS


TÍTULO—Impressionismo americano, opacidade e envernizamento. RESUMO—Evidências provenientes de fontes escritas—e, em alguns casos, de estudo e tratamento de pinturas—indicam que alguns Impressionistas americanos envernizaram suas pinturas, enquanto outros preferiram superfícies opacas e/ou sem verniz. Pode ser difícil estabelecer com certeza as preferências de envernizamento de um determinado pintor, porém podem ser encontradas informações específicas sobre alguns pintores, inclusive Childe Hassam, William Merrit Chase, Thomas Wilmer Dewing, John H. Twachtman, Willard Leroy Metcalf e Theodore Robinson. Os tópicos discutidos incluem o advento da estética sem verniz na América, o envernizamento fino, superfícies absorventes, suportes adicionais e suportes pouco comuns. As maneiras pela quais os conservadores podem precisar avaliar e interpretar a freqüentemente limitada evidência da preferência de envernizamento são discutidas em alguns detalhes. Também são discutidas as conseqüências de se remover o verniz e permitir que uma pintura permaneça sem verniz. Essas escolhas podem mudar a saturação de áreas coloridas e alterar os valores relativos das cores, o que, algumas vezes, pode melhorar visivelmente a aparência de uma pintura.
[English Abstract] [French Abstract]

Article Sections:

1. INTRODUCTION
2. MATTENESS AND UNVARNISHED PAINTINGS
3. VARNISHING THINLY
4. VARIATIONS IN GLOSS AND SATURATION ON UNVARNISHED PAINTINGS
5. INTERPRETING THE EVIDENCE OF VARNISHED AND UNVARNISHED PAINTINGS
6. VARNISHING PRACTICES OF THE FIRST GENERATION OF AMERICAN IMPRESSIONISTS
7. CONCLUSIONS
a: Notes , References , Author Information
Entire Article

Copyright © 2004 American Institution for Conservation of Historic & Artistic Works